Para Profissões

Para o(a) economista

Olá, meu superávit!

Sabes de uma coisa? Sua cotação anda tão alta nessa minha bolsinha de valores particular, que depois que eu te conheci meu coração não bate mais naquele monótono TUM (pausa), TUM (pausa), TUM (pausa) agora ele funciona assim: PIB, PIB, PIB.
Não, não é que eu estivesse no maior déficit quando surgiste na minha vida feito um bônus ou um dividendo mas, sem dúvida, eu tenho que confessar que hoje significas uma mais-valia para mim. Sim, eu sei que essas coisas não se contabilizam, mas acho que saí no lucro. Meu peito está inflacionado de amor, apesar da ortodoxa política liberal que eu resolvi adotar em relação a ti. Quando apareces diante de mim, eu digo: laissez-faire, laissez-passè, na verdade podes fazer tudo comigo, eu deixo mesmo.
Vamos fazer o seguinte: vou elevar ainda mais a minha taxa de eu JURO te amar para sempre, para manter o câmbio de beijos entre nós exatamente no patamar que ele está hoje; ou seja, eu te dou um e você me devolve outro, um por um, certinho.
Estou muito feliz por tê-lo retirado do mercado, muito feliz que toda a minha procura de carinho estar sendo suprida pela tua generosa oferta. Sem dúvida, atendes plenamente às minhas demandas. Espero que a recíproca seja verdadeira.

Um beijo da tua (assinatura)