Para Torcedores

Carta de Amor ao Palmeirense

Amore mio,

quando você surge com sua roupa alviverde e imponente, no portão onde o meu beijo o aguarda, sabe bem o que vem pela frente - não sabe? - que a doçura do meu carinho não tarda, não é, meu Periquito?
Quando você chega eu canto e grito de alegria, um hino de amor envolve meu coração, que se enche com o branco da paz; com o vermelho da paixão; e com o verde da esperança, esperança de que tudo continue assim tão lindo, alegre e vitorioso entre nós!
Viu? Meu coração fica alviverde como o seu e com o toque vermelho do amor, lembrando as cores da Itália, do Palestra Itália, não é, querido? E, por falar em Palestra Itália, quando você chega eu me sinto como se estivesse num jardim suspenso, num palco iluminado onde só acontecem espetáculos felizes!
Amore mio, não fique triste se algum desses recalcados quiser te ofender e te chamar de porquinho, tá bom? Lembra do dia em que soltaram o bichinho no campo com a camisa do Palmeiras? Pois é, metemos 2 x 0 naquele timinho de torcedores infelizes, que adora fila de ônibus, fila de banco, fila de INSS e, principalmente, fila de títulos (essa então são a que eles gostam mais, costumam ficar esperando mais de 20 anos, não é?).
Meu querido, sei que este ano vamos dar a volta por cima, estou com este pressentimento forte. Inclusive, bem que você poderia comemorar o retorno à elite comigo, alugando um daqueles apartamentos pertinho do Parque Antarctica, de onde dá para assistir aos jogos na varanda, com todo o conforto e, ainda por cima, ver os replays dos gols do Verdão na TV, não é? Acho que poderíamos viver felizes para sempre, comemorando os títulos e esse nosso amor campeão!
Mas, enquanto isso não acontece (quem tem apartamento naqueles prédios não quer vender de jeito nenhum...), queria te pedir outra coisa: ando louca pra comer uma pizza, ou mesmo uma lasagna de massa verde? Que tal hoje à noite?

Um beijo da sua
(assinatura)